miércoles, 9 de febrero de 2011

Pelo mesmo buraco por onde foi se embora meu coração, ficou o espaço pelo qual minhas idéias fogem antes que eu possa organiza-las. Nossas viagens lisérgicas escapam antes do sol nascer assim como nossos amassos terminam antes do bar fechar.
(Não que deixar a porta aberta queira dizer que eu tenha medo, apenas não quero me encerrar com o inimigo)

1 comentario:

Mirtes Rodrigues dijo...

muito legal esse poema :)